Musica Sectae

Na busca do constante aprimoramento do canto, o Coral “Vozes de Euterpe” reserva um espaço no seu site para que os amantes desta arte encontrem material com respaldo bibliográfico voltado à aprendizagem da leitura musical.

 

Esse esforço é resultado do trabalho iniciado por seu regente, professor José Rezende Vilela, que ao longo dos anos dedicou expressivo tempo à didática do canto coral.

 

A execução coesa e clara das peças, a uniformidade das vozes e a segurança de seus coralistas são sinais de respeito aos autores e ao público que ao longo de mais de cinco décadas acompanham a história do coral.

José Rezende Vilela

Natural de Brazópolis, MG. Iniciou seus estudos de piano em 1954, com a renomada Professora Maria d'Assunção Gomes Mello. Em 1957 continuou seus estudos com a Professora Regina Rosa Pereira. Em 1970 formou-se em piano pela Academia Dramática e Musical Mozarteum, em São Paulo, SP, tendo sido aluno dos professores Joaquim Bonilo e Menininha Lobo.

 

Em 1971 formou-se em canto, pelo Conservatório Lorenzo Fernandes, também de São Paulo, SP, tendo sido aluno da Professora Maria Uglik Mesquita.

 

Participou de diversos cursos internacionais de música, em Curitiba, PR, e de diversos Painéis de Regência Coral, promovidos pela FUNARTE/MEC.

 

Em 1981 participou do Simpósio Internacional de Música Sacra e Cultura Brasileira, realizado em São Paulo, SP.

 

Nos anos de 1972 a 1977, estudou canto com o maestro Marcel Klass, no Conservatório Estadual de Música Juscelino Kubitscheck de Oliveira, de Pouso Alegre, MG. No mesmo Conservatório, ministrou aulas de diversas disciplinas, de 1975 a 1985.

 

Em, 12 de maio de 1962, fundou o Coral "Vozes de Euterpe", tornando-se seu regente titular a partir de 1968, até o presente momento.

Osvaldo Costa de Lacerda

Iniciou seus estudos de piano aos nove anos de idade, com Ana Veloso de Resende, aperfeiçoando-se com Maria dos Anjos Oliveira Rocha. No início, apenas sua mãe apoiava sua decisão de seguir carreira musical. Seu pai preferia fazer dele um advogado. Em 1947, Osvaldo Lacerda passa a ter aulas de piano com José Kliass e, três anos depois, com Camargo Guarnieri, que o desaconselha a tentar ser pianista para se dedicar à composição.

 

Em 1963, graças aos incentivos de Camargo Guarnieri, Osvaldo Lacerda passa a ter aulas com outros compositores. Recebe, então, uma bolsa da Fundação Guggenheim para ter aulas com Aaron Copland e Vittorio Giannini, nos Estados Unidos. Pouco antes, contudo, Osvaldo Lacerda formou-se em Direito para satisfazer seu pai. Nesta época também criou a Sociedade Pró-Música Brasileira.

 

Em maio de 1965, foi um dos compositores que o Ministério das Relações Exteriores enviou aos Estados Unidos, para representar o Brasil no Seminário Interamericano de Compositores, na Universidade de Indiana, e no IIIº Festival Interamericano de Música, em Washington. Em abril de 1996, foi um dos compositores brasileiros que a American Composers Orchestra convidou para participar, em Nova York, do Festival “Sonido de las Américas: Brazil”.

 

Entre 1966 e 1970, Osvaldo Lacerda atuou como consultor na Comissão Nacional de Música Sacra, e uma de suas atividades foi a proposição do uso da música sacra brasileira na liturgia da Igreja Católica.

 

Em 1982 ele se casou com sua antiga aluna, a pianista Eudóxia de Barros.

 

Osvaldo Lacerda tornou-se também professor da Escola Municipal de Música de São Paulo, cargo do qual se aposentou em 1992.

 

Morreu em 18 de julho de 2011, por falência múltipla dos órgãos, em São Paulo (SP), aos 84 anos de idade.

 

Lacerda ocupava a cadeira de número 9 da Academia Brasileira de Música, que já foi de Brasílio Itiberê da Cunha.

 

Eudóxia de Barros lançou sua obra inacabada Curiosidades Musicais.

Vídeos recomendados